COPAGIRO Semanal #7

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no google
Google+
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

 

Olá queridos leitores, bem vindos a mais um COPAGIRO, o resumo das principais notícias e eventos que movimentaram o mercado essa semana. Sem mais enrolação, vamos começar. 

BRASIL 

Essa semana houveram inúmeros balanços de empresas aqui no Brasil, tivemos resultados como Usiminas, Santander, Vale etc.

Depois de quase 1 mês o boletim FOCUS voltou a ser divulgado essa semana. O documento trouxe dados da previsão do PIB (produto interno bruto) para esse ano, de 0,56% para 0,65%. O PIB é um indicador econômico que mostra a soma de todos os bens e serviços produzidos em uma região em um determinado período.

Outro dado muito importante trazido pelo FOCUS foi a inflação, a qual tem previsão para chegar a 7,65% no final do ano. É importante observarmos que esse valor é mais que o dobro da meta estabelecida pelo CMN (Conselho Monetário Nacional) de 3,5%.

A Taxa Selic também é prevista para terminar o ano na casa dos 13,25%.

Os investimentos destinados a títulos do Tesouro Direto (TD) somaram R$ 4,13 bilhões no mês de março de 2022.

O IPCA de abril veio a 1,73%, esperado era de 1,85%. Na base anual, o IPCA somou 12,03%, o esperado era 12,16%. Um dos principais fatores que impactaram o IPCA foi a gasolina, que bateu recorde, chegando a 8,59 na cidade de SP.

EUA

Lá nos Estados Unidos, a semana de divulgação de resultados segue forte, onde já saíram os resultados de algumas big techs, como a Meta, que divulgou seus resultados e no mesmo dia, suas ações chegaram a subir quase 20%.

Essa semana tivemos a divulgação do PIB do 1 trimestre dos EUA o qual assustou muitos investidores recuando 1,4%, sendo que o esperado era um aumento de 1,1%.

Também tivemos o núcleo do  PCE (índice de preços das despesas de consumo pessoal) de março, indo a 0,3%, conforme o esperado pelo mercado.

 

GUERRA

Dando início ao seu terceiro mês, a guerra na Ucrânia não traz boas notícias. Autoridades do alto escalão americano visitaram a Ucrânia e afirmaram que seria possível ganhar a guerra com o equipamento adequado. Em resposta, a diplomacia russa afirmou que o perigo de uma guerra mundial é real e não pode ser subestimado. Podendo até usar armas nucleares contra quem interfira na invasão à Ucrânia, disse o Putin. 

Além disso, a Rússia informa que irá cortar o fornecimento de gás para Polônia e Bulgária por se recusarem a pagar em rublo russo → gás natural salta 24% na mesma hora.

UE

A situação também não é das melhores para os europeus, considerando que a inflação sobe na zona do euro, atingindo 7,5% e batendo recorde. A mesma altamente impulsionada pelo aumento persistente nos preços de alimentos e de energia, com forte influência da guerra.  

Na França, Macron vence a eleição no segundo turno contra Marine Le Pen, que era de ultra direita. A reeleição do presidente será válida por mais 5 anos e vale lembrar que Macron é mais centralista, nem muito de direita nem muito de esquerda, gosta do povo unido e afirma que irá governar por todos. 

CHINA 

Do outro lado do mundo, a China endurece mais ainda o lockdown, agora colocando cerca em volta dos prédios, o que acaba por revoltar mais ainda os moradores.

Como consequência dessas novas medidas, vários navios começaram a evitar o porto de Xangai em suas rotas, por conta da dificuldade da logística e do desabastecimento no local. É importante ressaltarmos a relevância desse porto, que é responsável por 17% do tráfego de contêineres e 27% das exportações da China.

 

E o nosso episódio vai ficando por aqui, juntamente com a semana e o mês que acaba no final de semana. Continue de olho no nosso podcast pois continuaremos trazendo novidades pra vocês. Muito obrigado e até a próxima!

 

Murilo Vergara

Para investir melhor em renda variável, nada como contar com especialistas. Entre em contato conosco:

Telefone: (14) 3010–1818

WhatsApp: (14) 3245–4345 ou acesse clicando aqui.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Rolar para cima