A influência do clima na formação de preços futuros de commodities no Brasil

Facebook
WhatsApp
LinkedIn

Artigo escrito pelo Marcelo Mazeto, nosso Head de Commodities.

 

1 – Introdução:

O Brasil é um dos mais relevantes produtores de grãos do mundo, tendo influência direta na formação de preços internacionais dessas commodities, como Café, Milho e Soja.

A estrutura de formação de preços tem como composição, a curva de Oferta e Demanda, o Custo de Produção (aqui envolve o custo da semente, combustível, fertilizantes, etc), Custo de Estocagem, Custo de Frete, Impostos (se aplicável) e Margem de Lucro.

Um dos fatores mais importantes sobre como se precifica determinada commodity é a disponibilidade dela quando da necessidade da compra. Deste modo, os eventos climáticos podem trazer surpresas e impactar de modo relevante a produtividade e a disponibilidade.

2 – Massas de Ar:

Sendo o Brasil um país de dimensões continentais, sofre influência de diversas massas de ar, a saber:

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

As massas de ar mEc e mEa são massas de ar que vêm para o Brasil originadas do Equador Continental e Equador Atlântico (respectivamente). Já as massas de ar mTc e mTa são massas de ar Tropical Continental e Tropical Atlântica, respectivamente. Ainda falando do sul do Brasil, temos a Massa Polar Atlântica, que ao longo das décadas (e mais recentemente) trouxe fortes geadas de grande impacto climático no nosso país.

3 – El Niño e La Ninã:

Outros fatores climáticos que influenciam diretamente no clima aqui no Brasil são os eventos climáticos chamados de El Niño e La Niña.

O El Niño é um aquecimento anormal das águas do Oceano Pacífico na altura tropical. Esse aquecimento anormal das águas acima de 0,5°C (das condições normais da região) altera a dinâmica das massas de ar que influenciam o clima aqui no Brasil.

Por outro lado, o La Niña é o resfriamento anormal dessas águas, abaixo de 0,5°C, com efeitos teoricamente invertidos, mas nem sempre na mesma magnitude.

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

4 – Impactos nos Preços:

Após um breve resgate climatológico brasileiro, vamos falar do que norteia esse artigo: grandes eventos climáticos impactam diretamente na produtividade do agronegócio e os efeitos são sentidos diretamente nos preços.

4.1 Milho – Na safra 2019/2020 tivemos uma intensificação do La Niña, trazendo muitas perdas de produtividade nos grãos, pelo tempo seco e escassez de chuvas. Este problema se traduziu em escassez de oferta de milho, por exemplo, que teve uma pressão muito forte por compras internacionais, o resultado disso foi um aumento forte nos preços, que chegaram a passar de 100% de aumento em poucos meses.

Abaixo o gráfico de preços futuros de milho dos últimos 18 meses:

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

Essas correções de preços nessas barras vermelhas, de forma abrupta, podem ser atribuídas à retirada de grandes compradores do mercado (um alívio na curva de demanda)

4.2 Soja – Para a nossa soja, não foi diferente. O Brasil é o maior produtor e exportador mundial de soja, e novamente a questão climática fez pressão nos preços.

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

4.3 Café – Com relação ao Café, o Brasil é o maior produtor mundial de Café Arábica. Tivemos uma forte geada este ano, que fez com que os preços explodiram ainda mais, dada a magnitude da geada que potencializou os estragos nos cafezais que já vinham de uma queda na produtividade da safa anterior.

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

 

Para entender melhor sobre commodities, agronegócio e estratégias de proteção de preços, entre em contato com nossa Mesa de Agronegócio.

Telefone: (14) 3010–1818

WhatsApp: (14) 99727-3784 (Marcelo)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Rolar para cima