DEIC apreende cestas, material esportivo e planilha com nome, favores e dados de milhares de eleitores desde 2012

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no google
Google+
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Delegados Gláucio Stocco, Ricardo Martines (Deinter) e Ricardo Dias (diretor DEIC), durante entrevista coletiva nesta segunda

O cumprimento das prisões temporárias com as buscas autorizadas pela Justiça permitiram à Divisão Estadual de Investigações Criminais (DEIC) apreender cadastros com nomes de milhares de eleitores bauruenses no que a Polícia Civil identifica como esquema de cooptação de votos e oferecimento de favores pelo grupo organizado em torno do vereador Carlinhos do PS.

Em entrevista coletiva nesta segunda-feira (29/11), na sede da DEIC em Bauru, a cúpula da Polícia Civil avaliou que a apreensão das fichas e das planilhas de controle dos pedidos dos eleitores traz em”robustez ás provas já levantadas durante a fase preliminar das investigações”. Conforme o delegado da Seccold (setor especializado em crimes de colarinho branco), Gláucio Eduardo Stocco, os materiais foram localizados no gabinete do vereador e também na sede do grupo, em uma edícula no Jardim Solange.

Conforme antecipado pelo CONTRAPONTO, a DEIC cumpriu seis mandados de prisão e buscas e apreensão em nove endereços de acusados, além do gabinete do parlamentar, em inquérito que apura possíveis crimes eleitorais, de concussão e corrupção passiva. “Escutas telefônicas autorizadas pela Justiça apontaram para a organização de uma Associação que faz cooptação de eleitores, através dos assessores ou cargos comissionados ligados ao vereador. Nas buscas, as fichas e as planilhas, com identificação de nomes, endereços e título de eleitor levam a dados até 2012”, apresenta o delegado Stocco. Outras gravações, fornecidas por denunciante, integram o material.

O delegado confirmou que a denúncia original partiu da Emdurb, conforme adiantado pelo CONTRAPONTO. O presidente da empresa, Luiz Carlos Valle, já foi ouvido pela DEIC. “Ele apresentou a ocorrência de pressão para contratação de 3 indicados pelo vereador Carlinhos do PS e indicou que uma das pessoas foi ameaçada. A partir desta informação, passamos a levantar as informações até chegarmos a elementos da presença de um grupo organizado com o objetivo de garantir votos para o vereador, através de favores listados e monitorados, um a um, em uma planilha. Cada um dos investigados têm uma ou mais funções específicas nesse grupo”, acrescenta.

APREENSÕES

Além desses materiais que fortalecem a denúncia original levantada pela Polícia, as equipes da Polícia Civil apreenderam cestas básicas, identificaram tambores de combustíveis, materiais esportivos com logotipo de repartição pública (do Estado), uniformes, cerca de R$ 60 mil em espécie apreendidos na casa de Carlinhos do PS, muitas caixas de remédios (que integram um dos itens mais distribuídos pelo esquema).

A prisão temporária (com 5 dias de duração) deve levar à pedido de prorrogação – diante do volume de informações e pessoas envolvidas até aqui – ou derivar para pedido de prisão preventiva (com maior prazo de duração), junto ao Judiciário, informam os delegados.

Para o diretor do Deinter-4, Ricardo Martines, “trata-se de uma ação nefasta de utilizar cargos públicos com indicações sem qualquer qualificação para um esquema criminoso, que inclui enganar o eleitor em troca de favores e alimentar uma rede para se manter no poder”.

O diretor da DEIC, Ricardo Dias, reitera que as investigações estão sendo “realizadas há meses, em um trabalho sigiloso, minucioso, que exige inteligência e qualidade para se chegar a provas testemunhais e materiais”. Para Dias, os elementos até aqui levantados indicam que “haverão desdobramentos e à percepção de que outros agentes políticos atuaram na mesma direção, ainda que com outros formatos. Vamos aprofundar essas investigações e verificar se existem outros cargos, em outras áreas do governo, que aturam no esquema da Associação e, também depurar se isso também foi praticado por outros”, aponta.

Materiais esportivos, cestas básicas e R$ 60 mil em dinheiro foram apreendidos, além de fichas e planilhas com nome de eleitores

PRISÃO DE 6 E BUSCAS

Conforme apurado pelo CONTRAPONTO, a DEIC obteve autorização judicial para cumprir prisões temporárias e realizar apreensões em nove endereços ligados aos acusados, além do gabinete do vereador Carlinhos.

A Divisão Estadual de Investigações Criminais (DEIC) de Bauru cumpriu seis mandados de prisão, sendo contra o vereador Carlinhos do PS (Carlos Bastazini), seus dois assessores parlamentares  e outras três pessoas ligadas a seu grupo político por denúncia de que teriam praticado crimes de corrupção, cooptação de eleitores e “rachadinha”.

A ordem da juíza da 1ª Vara Criminal do Fórum de Bauru, Érica Marcelinha Cruz, incluiu buscas e apreensão em 9 imóveis para levantar documentos, computadores, planilhas, anotações, telefones celulares, CDs e outros materiais em residências dos denunciados, localizadas em diferentes bairros de Bauru, além do Gabinete parlamentar.

A apuração é que as denúncias preliminares estão sendo levantadas há cerca de seis meses pelo Setor Especializado de Combate aos Crimes de Corrupção, Crime Organizado e Lavagem de de Dinheiro (SECCOLD). O setor foi criado no ano passado em regionais da Polícia Civil do Estado, para atuar em crimes específicos, como o do colarinho branco.

Os mandados de busca e apreensão e prisão temporária foram cumpridos contra o vereador Carlinhos do PS (Carlos Bastazini), seus dois assessores diretos, Luiz Carlos Alves Júnior e Láercio Pereira (Indião), além do também assessor Gleison Aparecido Contador. As ordens também foram expedidas pelo Judiciário contra Fábio Manoel de Campos, apontando na investigação como um dos cargos de confiança indicado por Carlinhos do PS e Agenor de Souza, servidor do DAE que, conforme a denúncia, atua no grupo para o parlamentar.

3 comentários em “DEIC apreende cestas, material esportivo e planilha com nome, favores e dados de milhares de eleitores desde 2012”

  1. Parabéns pelo belo trabalho de investigação, agora prender antes de se averiguar os fatos???
    Faltou fazer o mesmo na cohab, o cara roubou 54 milhões, viajou mais de 40 x pra europa c dinheiro público, e nem foi ouvido. Gostaria de entender!!!!! Acho que sou burro…..

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Rolar para cima