“Disputa” lota o Judiciário no último dia da campanha na TV

Facebook
WhatsApp
LinkedIn
Liminar determina que prefeito retire conteúdo de live considerada eleitoreira, realizada pela Prefeitura. Outras ações estão em andamento em relação a outras candidaturas

A véspera do último dia da campanha eleitoral para veiculação de conteúdos na TV teve, a exemplo de 2016, diversas ações. São candidatos representando contra veiculações consideradas irregulares, ou ofensivas, incluindo embates diretos contra eleitores que, conforme as reclamações, usurpam do direito a crítica.

Além disso, o Ministério Público Eleitoral também agiu neste fim de programação eleitoral no primeiro turno. O MP ingressou com ação contra o prefeito Clodoaldo Gazzetta e obteve liminar que determina à Prefeitura de Bauru a retirada imediata de conteúdo de live realizada ainda em agosto passado.

Trata-se de representação ajuizada pelo Ministério Público Eleitoral apontando que o candidato incorreu em condutas vedadas pelo artigo 73 da Lei 9.504/1997, por ter utilizado a instituição Prefeitura de Bauru e sua respectiva estrutura (órgãos, servidores) para promoção pessoal, com intuito de exaltar suas qualidades de administrador.

Neste conteúdo, o prefeito informou a realização de obras como se fossem suas e não da municipalidade, divulgando inclusive na rede mundial de computadores (“internet”, redes sociais), acusou a Promotoria.

O juiz eleitoral Rodrigo Otávio Machado de Melo decidiu que a postura do prefeito “tendem a afetar a igualdade de oportunidades entre os candidatos no pleito eleitoral, em detrimento daqueles que não têm a mesma possibilidade de usar a máquina pública em proveito de suas candidaturas”.

Na decisão liminar, o magistrado traz que “informes noticiosos realmente possuem poder de influência sobre o eleitor, na medida em que se divulgam ações positivas realizadas pela  Prefeitura como se fossem obras pessoais do candidato, e apesar de ser desnecessária a demonstração de potencialidade lesiva, fato é que a publicidade na rede mundial de computadores (“internet”, redes sociais) ganha amplitude de grandes proporções.

A decisão é pela retirada imediata, da página da Prefeitura de Bauru no “Facebook”, da “live” realizada no dia 11 de agosto de 2020, a suspensão de toda e qualquer propaganda eleitoral na página eletrônica oficial da Prefeitura de Bauru, incluindo-se todas as secretarias e órgãos administrativos, durante o período vedado pela Lei 9.504/1997.

O prefeito tem 5 dias para apresentar defesa quanto ao mérito da ação que, se julgada procedente, trará sanções.

SUELLEN X AVALLONE

Já a candidata Suellen Rosim (Patriota) obteve liminar em reclamação contra Eduardo Avallone (Republicanos). Ela representou que o adversário cometeu ofensas ao veicular conteúdo de que a reprovação de contas eleitorais da candidata configurava “desvio de dinheiro público”.

A juíza eleitoral Regina Caro Aparecida Gonçalves mencionou, em decisão liminar, que a  Jurisprudência do Tribunal Superior Eleitoral já firmou entendimento de que “as ordens de remoção de propaganda irregular, como restrições ao direito à liberdade de expressão, somente se legitimam quando visem à preservação da higidez do processo eleitoral, à igualdade de chances entre candidatos e à proteção da honra e da imagem dos envolvidos na disputa”.

Para a magistrada, no caso estão presentes os requisitos que autorizam a retirada liminar das publicações impugnadas, tendo em “vista o conteúdo ofensivo que ostentam, consubstanciando agressões e ataques à candidata, extrapolando o direito de livre manifestação do pensamento (artigo 57-D, § 3º, da Lei 9.504/1997)”.
Ela acrescenta que, “ainda que os dados referentes ao julgamento do processo ao qual o representado se reporta sejam públicos (rejeição das contas eleitorais da candidatura a deputada de Suellen), a decisão proferida naquele caso não fornece suporte às imputações de desvio de dinheiro público, com favorecimento de familiares, atribuídas a candidata Suellen”.

Avallone terá de retirar a publicação no Facebook, de imediato. O caso vai a julgamento de mérito em seguida.

SUELLEN X CIDADÃO

A candidata também representou contra Eliézer Assis dos Santos e obteve liminar. Em 10 publicações listadas no processo, a juíza Regina Aparecida Caro Gonçalves define que o eleitor transbordou do direito à critica e passou para a ofensa à Suellen.

Nas publicações, ela reclama que, pelo mesmo processo abordado contra Avallone, Eliézer atribuiu a ela condutas como “lavagem de dinheiro, nepotismo e cabide de emprego”, sem relação com o conteúdo divulgado.

A liminar também determina a retirada imediata dos conteúdos da página.

GAZZETTA X JORGE MOURA

O candidato Clodoaldo Gazzetta obteve liminar contra Jorge Moura em ação eleitoral. A decisão também determinou que a candidatura petista retire do ar a propaganda veiculada em seu horário de TV (e rádio), onde este vincula o prefeito em conteúdo que retrata desvios na Cohab.

A decisão liminar não concedeu direito de resposta a Gazzetta, mas determinou que Jorge retire o programa do ar, incluindo suas redes sociais como candidato. O mesmo já havia sido decidido em processo movido por Raul Gonçalves (DEM), também incluído neste mesmo programa do PT.

Jorge apresentará sua defesa e o caso poderá levar a novas sanções, com julgamento de mérito.

Há outras representações judiciais em curso, de casos de menor repercussão ou abrangência para efeito eleitoral.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Rolar para cima