Estado anuncia mais 112 leitos UTI na região para Covid

Facebook
WhatsApp
LinkedIn
Deputado Rodrigo em reunião em SP (03/02), para anúncio de mais leitos Covid na região

 

O governo do Estado de São Paulo acaba de fechar acordo, em reunião com deputados estaduais e o federal por Bauru, Rodrigo Agostinho, para a abertura adicional de 112 leitos UTI para Covid e mais 90 de enfermaria para enfrentar a doença na região da DRS-6, o que inclui Lins, Botucatu, Jaú, Avaré e Promissão.

Com a medida, nas próximas semanas, o Estado promete elevar a disponibilidade de leitos de 165 para 277 para casos graves da Covid na região vinculada à Diretoria Regional de Saúde (DRS-6). De outro lado, a decisão de ampliar leitos confirma o crescimento do número de casos da doença no Interior, como advertido pelo Comitê Covid.

O investimento para este acréscimo de leitos nesta fase é de R$ 21 milhões, válidos por 90 dias, conforme o deputado Rodrigo. Ao final, será reavaliada a situação por cidade sede. Ontem, o CONTRAPONTO falou com Rodrigo e publicou sua ação política em torno dos leitos, na coluna Candeeiro N.94 (está no site).

A informação foi dada há pouco (18h15) em reunião com a presença do vice-governador, Rodrigo Garcia, do secretário executivo Estadual de Saúde, Osmar Chimico, o secretário de Desenvolvimento Regional, Marco Vinholi, na presença dos deputados federal Rodrigo Agostinho e dos estaduais Ricardo Madalena e Fernando Cury.

“Eu fui chamado às pressas de Brasília e estou em São Paulo desde o meio da tarde e saímos agora dessa reunião (19h). O Estado fechou acordo para acrescentar, de forma progressivo, 112 leitos UTI para a DRS-6 da Regional de Bauru e mais 90 leitos de enfermaria. A situação em Botucatu é desesperadora, com pessoas dividindo cilindro no corredor. Lá a lotação é 430% acima da capacidade e em Jaú ultrapassou bem acima de 130% nos últimos dias. Isso vai ser reforçado para aliviar a rede e é essencial que as pessoas não aglomerem”, contou.

Segundo Rodrigo, o Estado manteve 10 leitos adicionais de UTI no Hospital de Base (que não integram o acordo de hoje), mas para atender outras doenças. Esta demanda está prometida pelo Estado desde reunião, há semanas, com a Promotoria Pública.

A fila por internação também é grande no local. Isso aliviaria, neste momento, o HE, que concentra lotação tanto em Covid quanto em outras doenças. Por ora, o Estado mantém, há semanas, o Hospital Estadual com 50 leitos UTI (insuficiente para evitar a lotação, acima de 95% há dias).

E A UNIÃO?

Na divulgação oficial sobre o número de leitos, o governo do Estado acrescenta 36 UTIs (aos 112 novos – anunciados agora). É que o Estado diz que vai assumir o custeio desses 36 leitos Covid que vinham sendo pagos pelo Ministério da Saúde.

Logo, o aumento real de leitos, do estoque atual, é de 112 novas UTIs. Mas, na região, o Estado passa a pagar 148.

O governo federal cortou despesas no setor e não está mais homologando leitos para Covid.

ÍNDICES DA DOENÇA

O médico e integrante do Comitê Covid, Carlos Magno Fortaleza, disse, há pouco, para o CONTRAPONTO “que a situação é dramática em cidades sedes da região e com a abertura de tudo em Bauru a cidade infelizmente vai enfrentar o mesmo caos”.

Segundo ele, não haverá condições de frear a pandemia e a lotação dos hospitais até o final de fevereiro nesta marcha. “A situação é muito ruim e ficará pior, infelizmente. Se a população não evitar o distanciamento social não tem como evitar essa superlotação, que continua crescente”.

A princípio, na reunião desta quarta (03/02) na Capital foi discutido que o caso de Bauru não deve mudar de classificação na sexta (7/2). “Eles disseram que esses leitos entram no sistema e no funcionamento aos poucos e que isso não dará tempo de influenciar os índices desta sexta. Porque a situação é muito difícil em Bauru e na região, cuja fase vermelha deve ser estendida”, mencionou o deputado.

PARTICIPANTES

Participaram da reunião desta quarta, na Capital, prefeitos da região, como Lins, Botucatu, Lençóis, Jau, Promissão, Conchas, Laranjal Paulista e Avaí. Bauru não foi convidada, segundo a prefeita Suéllen Rosim em sua rede social.

APROVAÇÃO

A lei municipal que estende para quase todas as atividades comerciais e de serviços a classificação de essencial em Bauru foi aprovada em sessões extraordinárias na tarde de quarta (03/02.

Na mesma data, a prefeita Suéllen Rossim (Patriota) assinou a sanção da lei e publicou no Diário Oficial para vigência a partir desta quinta-feira (04/02).

A lei inclui bares, restaurantes, academias, esportes de alto rendimento, clubes, manicure, serviços de estética em geral, trailles e food trucks, além do Legislativo, na categoria.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Rolar para cima