Fundos de Investimentos – Qual a melhor estrutura de um fundo?

Facebook
WhatsApp
LinkedIn

Olá queridos leitores, dando continuidade agora à nossa série sobre os fundos presentes no mercado, após entendermos o que são os Fundos, vamos agora estudar sobre a estrutura deles. A ideia é que nós, como investidores, não nos atentemos somente à rentabilidade ou qualquer outra forma de dado quantitativo, mas sim a como eles funcionam do começo ao fim. Nos tornando assim verdadeiros peritos no assunto, não só para conversar com propriedade com os amigos, mas para também escolhermos o melhor fundo para se investir.

 

Quais características analisar em uma gestora 

O principal componente de um fundo é a Gestora, ela é responsável por toda a estratégia que será implementada durante o período de investimento, decidindo quais ativos entram ou saem do portfólio. Para analisarmos uma gestora é essencial nos atentarmos a algumas características, vamos detalhar algumas delas, para que você investidor, possa sempre ter convicção na hora de escolher seu fundo.

 

O primeiro ponto a ser analisado é o histórico da gestora, devem ser buscados os dados últimos meses, com o máximo de informações possíveis sobre a rentabilidade, volatilidade e qualquer outro tipo de informação que influencia diretamente nos resultados. Caso essas informações não sejam satisfatórias ou não vão de encontro com o que você busca, o fundo pode ser descartado, pois se o principal ponto não é atingido, não vale a pena o investimento.

 

A segunda característica a ser analisada é o tempo no mercado, não adianta a  gestora ter um histórico excelente, se ele reflete somente um intervalo de tempo curto. Nestes casos quanto maior o histórico e mais consciente, melhor. Vale ressaltar que muitos fundos quando não obtêm um desempenho satisfatório, eles trocam a gestora, fundando uma nova e trocando seu CNPJ, recomeçando seu histórico de resultados. Por isso é importante buscar sempre os dados mais antigos disponíveis do gestor, já que isso não pode ser mascarado.

 

Outro ponto de muito interesse é a estrutura do time, é importantíssimo ver a quanto tempo eles trabalham em conjunto, normalmente as gestoras mais consolidadas tem uma sinergia muito maior, pois já se conhecem a anos. Assim como em qualquer outra área de atuação, o entrosamento é essencial para o melhor funcionamento e resultados.

 

Por fim, deve-se ter consciência da filosofia de investimento da gestora, cada uma aborda de forma diferente sua gestão, e para que consigamos definir com precisão esse conceito importantíssimo, vamos dedicar um capítulo de nossa série somente para este tópico, no caso nosso próximo episódio.

 

Qual o papel do administrador

O administrador tem função de controle no fundo, sendo responsável por todo o contato entre os cotistas e a CVM, além de ser responsável pelo repasse de todas as informações da gestora para os investidores, funcionando como um intermediador entre as duas partes. Ele também é responsável pela auditoria e funções jurídicas do fundo, sendo responsável pela contratação de qualquer profissional que seja necessário para o cumprimento de tais funções.

 

Estrutura Master x Feeders

E para finalizar o capítulo de hoje, temos a estrutura de fundos Feeders e Master. Normalmente em uma gestora, existem diversos fundos com classificações de riscos diferentes, e para que não seja necessário três gestões de fundos diferentes, é criada uma estrutura de com um fundo Master e Alguns Feeders.

 

Nessa estrutura, o fundo master é responsável pela estratégia ativa da gestora, enquanto os feeders são os “cotistas” do master. Os feeders para obterem estratégias distintas com riscos concernentes a cada perfil de investidor, colocam porcentagens diferentes de alocação no fundo master. Então eles ficam expostos a níveis diferentes de risco relativos ao fundo master.

 

Por exemplo, em uma gestora com 3 fundos, um deles pode ter 20% de exposição ao master, o outro 40% e o último 60%, sendo o resto do patrimônio alocado de acordo com a estratégia individual de cada fundo, onde normalmente quanto maior a exposição ao master maior o risco.

 

Com isso damos fim ao segundo episódio de nossa série sobre fundos, como já mencionado, vamos conversar sobre o que é Gestão Ativa e Gestão Passiva nos fundos.

 

E não se esqueça, conte sempre com a ajuda de especialistas antes de investir, estamos prontos para te atender, basta somente clicar aqui.

 

Vamos Juntos?

Lucas Strutz Haguiara.
Assessor de Investimentos Copaíba Invest – XP Investimentos

 

Se você perdeu o episódio anterior é só acessar pelo link abaixo:

Para investir melhor em renda variável, nada como contar com especialistas. Entre em contato conosco:

Telefone: (14) 3010–1818

WhatsApp: (14) 3245–4345 ou acesse clicando aqui.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima