COLUNA CANDEEIRO 25092020 NELSON ITABERÁ

N. 171 Saúde demora pra agir, há falhas que dependem apenas de gestão e a crise sanitária não espera

Facebook
WhatsApp
LinkedIn

N. 171 SECRETÁRIO DE SAÚDE DEMORA PRA AGIR E ESTANCAR PROBLEMAS, HÁ FALHAS QUE DEPENDEM APENAS DE GESTÃO E A CRISE SANITÁRIA NÃO PODE ESPERAR!

 

NA SAÚDE

A Secretaria Municipal de Saúde tem, pela frente, decisões (mesmo pontuais) de gestão que não podem esperar e, ao mesmo tempo, podem significar alívio, em algum nível, ou piora do quadro na assistência na escalada Covid em Bauru.

Pressionado a ter de dar continuidade aos contratos para plantões médicos nas UPAs Ipiranga e Bela Vista (porque não abriu processo dentro do prazo legal neste ano para contratação e já se foram 5 anos do termo), a pasta dirigida por Orlando Costa Dias, vice-prefeito, pode continuar sob os braços da Fundação de Saúde, após 30 de junho, quando vencem os compromissos atuais. E então? Como fica?

De outro lado, surgem manifestações aqui e acolá que destoam da compreensão sistêmica, organizada, da estrutura de prestação de saúde. Apenas um exemplo é a suposta ideia de retirar uma UPA do atendimento ao público geral, quando há demanda reprimida em todo o sistema e falta de profissionais.

A saída não é vista como resolutiva, na visão de gestores do sistema ouvidos pelo CONTRAPONTO. Por sinal, há anos, o sistema de Atenção Básica tem baixa resolutividade.

Me diga: alguém já viu controle de endemia ou pandemia dar resultado com gestão logística na rede de atendimento? A medida é o reconhecimento pelo governo de que a rede municipal colapsou e a opção é não fechar tudo por duas semanas (e quebrar a cadeia de transmissão) para salvar alguns e dar respiro! Salvar alguém, pelo menos!

APRENDIZADO

Conversamos com técnicos experientes no meio, que conhecem a máquina pública. Entre inúmeros pontos, especificamente sobre o secretário, as indicações são de que, mesmo com boa vontade, a inexperiência do médico Orlando Costa Dias no segmento atrapalhou na formatação de decisões até aqui.

Mas não é só isso. Quem é sua equipe de confiança? Ele aposta tudo na troca de postos entre integrantes do próprio funcionalismo? Ficará refém de vícios internos? Acha que eles não existem?

Vai ficar observando reações corporativas (antigas) aqui e acolá, de uma parte do funcionalismo? Quer exemplo típico de vício… contra o interesse da comunidade, do usuário (?): Tem marido de servidora atuando contra a proposta de criação de uma Central Covid…

Ah! Sabe a razão: vai mudar a rotina, o itinerário de servidores…. (?) Como assim?

POR QUÊ?

Ah.. Outro assunto. Tem quem não compreenda, no meio, por que as 3 Unidades que já eram referências Covid, instaladas no governo anterior, não tiveram esta função ampliada… Criar nome novo (Sentinela) não elimina dificuldades. A ampliação do horário de atendimento, plantões por jornadas (com supervisão), separação efetiva (com orientação in loco) de doentes suspeitos pra Covid e outros… são ações pra ontem…

Tem muito assunto… Mas pra não esquecer: tem respirador sobrando pra instalar, ou não?.. Está precisando… !

MEMÓRIA

Em abril, Orlando Costa Dias falava com facilidade (com alguns veículos). Na ocasião, comemorou que as UPAs estavam vazias.. e etc… etc…. etc! Epidemiologia e gestão pública são bem mais complexos do que se imagina!

Caríssimo secretário: o enfrentamento da crise exige ações proporcionais a seu estágio e abrangência!!! O governo Suéllem aposta em que para ‘quebrar’ o estágio atual de transmissão da doença na cidade…(?) Os especialistas do Comitê Covid têm qual posição?

Sem leitos e no cronograma de vacinas em curso é …. aguardar o elevado número de mortes cair…. (qualquer dia desses…)  para nova declaração apontando para a “normalidade”?!

Quantos caixões a mais o secretário vai ver sair do Pronto Socorro neste espaço de tempo?

BOLETIM

Boletim Covid desta terça traz 968 óbitos em Bauru, com lotação dos hospitais públicos (não tem vaga UTI, desde meses!). Desse total, 106 morreram em atendimento no Pronto Socorro, enquanto aguardavam internação junto ao Estado.

Sem quebrar a cadeia de transmissão não terá, por mais tempo, leito para todos! Certo, secretário? Esta é a tragédia!

ALUGUEL

A Prefeitura reconhece que está em andamento processo para acomodar mais de uma secretaria em um prédio alugado. A justificativa é a necessidade, antiga, de reforma do prédio do Centro Administrativo, na avenida Nuno de Assis.

O programa Informasom, na rádio 94 FM, trouxe a público ação interna para levar Seplan e outras áreas para o ex-prédio sede da CPFL, na Vila Facão. O custo com aluguel é um dos eixos. A Prefeitura respondeu.

NOTA DO GOVERNO

Conforme a nota, a “Prefeitura de Bauru analisa algumas possibilidades para alocar as secretarias que atualmente estão no prédio administrativo da avenida Nuno de Assis, enquanto este passará por melhorias.

O prédio da Nuno de Assis precisa passar por reforma, para diversas adequações, inclusive para cumprimento de Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) com o Ministério Público de São Paulo (MP-SP). Assim que um imóvel adequado for encontrado, o município fará a negociação”.

Sobre o imóvel na região da Vila Falcão: “É uma das possibilidades considerada, assim como outras alternativas. A prefeitura vai analisar, além da qualidade do prédio e suas instalações, os valores de uma eventual locação, e a possibilidade de alocar o maior número de secretarias possível em mesmo espaço, o que permitirá redução dos valores pagos em locações pelo município”, responde o governo.

MP TRABALHO

Já o Ministério Público do Trabalho (MPT) anuncia, de Brasília, a compra de imóvel (na Avenida Odilon Braga), no Jardim Europa, para abrigar a sede regional.

DRENAGEM  

O maior problema na reforma da Avenida Rodrigues Alves, sobretudo entre as quadras 2 a 13, na parte central, é drenagem. O apontamento é do secretário Municipal de Obras, Leandro Joaquim. A Prefeitura vai iniciar o recape da avenida, com uso de verba obtida junto ao deputado federal Rodrigo Agostinho.

O secretário salienta que a intervenção vai mexer e repor as chamadas camadas de base e sub base  (pedra) e por piso com especificação (e dimensionamento) mais robusto para as quadras com deformidade em razão de frenagens e partidas nos embarques e desembarques. Mas para a drenagem não há recursos.

SUPERÁVIT

Há natural aumento de pedidos, no governo, para que a prefeita autorize créditos especiais com parte, pelo menos, do superávit na arrecadação. O  valor acima do previsto no Orçamento é significativo, até maio. E na comparação com os primeiros 5 meses do ano passado o crescimento na arrecadação atinge algumas dezenas de milhões de Reais.

Obras é um dos setores que precisa de reposição. Cultura já perdeu 9% da dotação na distribuição do ‘bolo de receitas orçamentárias” de 2020 para 2021 e outros R$ 1,4 milhão de cortes. Não é por falta de caixa o corte. É opção política da prefeita!

VIGILÂNCIA SANITÁRIA

A Vigilância Sanitária Estadual compareceu hoje à Clínica Sonshine, em Arealva, para apuração da denúncia feita por funcionária de que estaria ocorrendo a realização sem regularização (clandestina) de exames Covid, sem o conhecimento do órgão municipal de controle.

Áudios dos responsáveis pelo local, comprovantes de compra de testes junto a laboratório, lista de pacientes e demais provas da denúncia já foram remetidas às autoridades, incluindo a Vigilância da Secretaría Municipal de Saúde de Arealva.

ERROS NO AGENDAMENTO  

O sistema utilizado pela Secretaria Municipal de Saúde para o agendamento da vacinação Covid é moroso e contém falhas em sua estrutura que geram prejuízos a usuários. Quando o cidadão abre as opções para agendamento (veja imagem com exemplo) aparece quantidade total de agendamentos a fazer e o número já efetivado.

Mas o sistema, com frequência, não aceita a inclusão, mesmo com “disponibilidade”. É que, no total, estão incluídos lotes para vacinação com comorbidade, por exemplo, mas sem o sistema “separar”.

Logo, o usuário vê na tela que há agenda disponível, mas não consegue registrar, porque o sistema não faz a distinção. Este é um ajuste de pouca complexidade para um técnico em Tecnologia de Informação ajustar… Mas precisa ser feita a mudança no sistema…

CARTA ABERTA

Comissão de Saúde envia Carta Aberta, onde reconhece a situação de colapso na saúde pública local e reforça pontos, urgentes, essenciais, de medidas que não podem esperar….

Veja a íntegra do documento (anexo): COMISSÃO SAÚDE CARTA ABERTA À POPULAÇÃO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Rolar para cima