COLUNA CANDEEIRO 25092020 NELSON ITABERÁ

N. 346 Com acordo da dívida com FGTS, atenções se voltam para acerto de mais de R$ 125 milhões de seguros habitacionais, redução da companhia e uso compartilhado do prédio ocioso na Nações Unidas

Facebook
WhatsApp
LinkedIn

N. 346 Com acordo da dívida com FGTS, atenções se voltam para acerto de mais de R$ 125 milhões de seguros habitacionais, redução da companhia e uso compartilhado do prédio ocioso na Nações Unidas

 

DÍVIDA DO SEGURO

Com o anúncio do acerto no valor da dívida com o FGTS, em R$ 348 milhões para pagar em 30 anos a valores de junho deste ano, as atenções em relação a Cohab Bauru se voltam para outros três pontos.

A dívida do seguro habitacional, que “represa” indevidamente a situação de inúmeros mutuários que tiveram seus contratos encerrados mas são surpreendidos com retenção de hipoteca (inclusive pela Caixa) é um dos principais temas. Na sessão desta segunda-feira, por exemplo, o vereador Manoel Losila lembrou que centenas estão sendo prejudicados e é preciso acertar, também, a dívida com seguro.

CAIXA E ACERTO 

Esta é mais uma razão para se discutir, ponto a ponto, a completa recuperação ou resolução dos débitos da companhia que, na verdade, recaem sobre o Município. E para quem achou que o valor devido ao FGTS, por exemplo, iria permitir a “divisão” do parcelamento com municípios que também são acionistas (como Piratininga, Marília, Dracena…), não é assim.

A renegociação (ou novação) é com a garantia total do Município. Bauru teria de chamar os acionistas, em eventual ação de regresso na proporção das ações….

A Cohab, como dissemos, já tem em torno de R$ 30 milhões em caixa. Mas a dívida do seguro habitacional supera a R$ 130 milhões. A “sorte” é que, neste caso, há valores represados de sinistros (da apólice antiga) que garantiriam dedução de algo acima de R$ 80 milhões à companhia. Mas a diferença tem de acertar. Portanto, qualquer outro caminho de olho grande para o caixa acumulado de janeiro de 2020 para cá seria simplista…

ENXUGAMENTO 

O líder da prefeita, Junior Rodrigues, comentou que concorda com as preocupações apontadas por Eduardo Borgo, Guilherme Berriel, Marcelo Afonso e Coronal Meira, no sentido de que o enxugamento da companhia tem de ser efetivado. O caminho é reduzir a estrutura na proporção da redução dos contratos ativos. Os “clientes” remanescentes vão ser inferiores a 4.000 mutuários daqui alguns meses, caindo, no tempo…

SEDE OCIOSA

De outro lado, foi lançada a discussão sobre a ocupação do espaço ocioso da sede da Cohab. De fato, o prédio na Avenida Nações Unidas que já abrigou quase 500 funcionários em governos passados hoje tem não mais do que 59 colaboradores.

Não tem sentido ver toda a estrutura esvaziada e o governo municipal discutindo novos contratos de aluguel. Aliás, as reacomodações da Seplan e até da Defesa Civil foram indicadas para novo contrato de aluguel na Vila Falcão, na antiga sede da CPFL..

“O que vai ser feito da Cohab?” “Qual o plano de ação de curto e médio prazo para a extinção gradual da Cohab?” “Por que não usa, não se faz um acordo, para levar secretarias para o enorme prédio na Nações, esvaziado, ao invés de novos aluguéis”? Esta foram algumas das observações da discussão política na segundona.

ATERRO POR 25 ANOS 

Vários vereadores voltaram a comentar, nesta segunda-feira, que não avança a mesma proposta da Prefeitura de insistir com autorização de concessão para separar e tratar o lixo doméstico na fase final, mas atrelado a aterro em um contrato por 20, 25 anos. A administração municipal realiza nova audiência, mas agora no auditório da Prefeitura. É esperada baixa adesão à reunião…

Guilherme Berriel, no mesmo tema, por exemplo, pontuou que agora (neste momento) é que empresas que desenvolveram projetos no país de queima ou geração de subproduto do que sobra do lixo tratado, com licença para instalação… Ou seja, agora que o setor está em fase de desenvolvimento o Município propõe aterro em um contrato longo…

E os R$ 4 milhões do estudo cobrado pela Caixa. Vários parlamentares defendem que o tal contrato (de Gazzetta) seja denunciado ou contestado no Judiciário.

CAMINHADA DA FAMÍLIA

O coordenador Diocesano, padre Rodrigo Pereira Sena, usou o microfone da Tribuna do Legislativo, hoje, para convidar a comunidade a participar da Semana de Valorização da vida e Caminhada da Família, que vai até 21 de agosto, domingo.

Os cristãos, de todas as vertentes, estão sendo chamados a participar, com doação de alimento não perecível, que pode ser entregue nas paróquias até domingo. No dia 21/8, às 8 h, concentração no Parque Vitória Régia, para caminhada até a Catedral, no Centro.

AUDIÊNCIAS PÚBLICAS  

Esta semana tem depoimento da prefeita, nesta terça-feira, às 9 horas, à Comissão Processante das aquisições para a Educação.

No dia 17/8, em seguida, 14 horas, audiência pública para discussão dos assentados em situação precária no Piquete (perto do Fortunato Rocha Lima), com presidência do vereador Lokadora.

No dia 18/8, 15 horas, audiência para discussão Assédio na Unesp, com a vereadora Estela Almagro.

E no dia 19/8, a vereadora também comanda reunião pública, às 9 horas, na apuração do caso da viagem a Poços de Caldas pelo Clube da Viola, pela Comissão de Fiscalização.

JORNADA     

Foi aprovado projeto de lei que prevê redução de jornada do servidor público, no Legislativo, com proporcional redução de salário, por pedido do funcionário e desde que seja do interesse público.

SÓ A PONTE

A iniciativa de reunir lideranças e vários partidos para pedido único de verba (de porte) junto ao governador Rodrigo Garcia – para aproveitar que o caixa do Estado está bufando e a eleição… – não avançou. Pelo menos até aqui o que foi autorizado é R$ 1,2 milhão para fazer a velha e comentada ponte sobre o Rio Bauru que permitiria abrir a pista do Viaduto Nicola Avallone nos dois sentidos…

SUMIRAM AS CESTAS  

Vereador Coronel Meira, que obteve vaga no União Brasil na última hora (muito por intervenção de Prado, prefeito de Lençóis Paulista), salientou que sumiram as cestas básicas e as ações do Fundo Municipal de Solidariedade e, pior, exatamente no momento agudo de fome….

Centenas de famílias não tem um prato sequer de comida ao dia…. É precária a situação, gravíssima…

MONKEYPOX

Um homem de 32 anos é o segundo caso confirmado da varíola em Bauru. Ele já está sem os sintomas, medicado, assim como seus contactantes, segundo o governo municipal.

 

2 comentários em “N. 346 Com acordo da dívida com FGTS, atenções se voltam para acerto de mais de R$ 125 milhões de seguros habitacionais, redução da companhia e uso compartilhado do prédio ocioso na Nações Unidas”

  1. a construção dessa ponte de 1,2 milhões e colocar o viaduto em mão dupla é a cara da politica bauruense, simplista e ridículo, a cidade tem que pensar em construir a 2° alça e finalizar o “viaduto inacabado”, hoje “viaduto saci”, com uma perna só.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Rolar para cima