COLUNA CANDEEIRO 25092020 NELSON ITABERÁ

N. 370 Prefeitura pede para Funprev revisar dados de custeio para equacionar déficit e TJ decide que cargos de confiança da Câmara são legais, mas MP ingressa com nova ação

Facebook
WhatsApp
LinkedIn

N. 370 Prefeitura pede para Funprev revisar dados de custeio para equacionar déficit e TJ decide que cargos de confiança do Legislativo são legais, mas MP ingressa com nova ação; a guerra pela sobra milionária da Educação

 

PREVIDÊNCIA

A Secretaria de Finanças pediu novas informações sobre custeio da fundação e em relação aos reflexos da contratação de servidores – que a partir da retomada de concursos deve ajudar no equacionamento das despesas nesta fase.

Conforme a administração, as contratações vão somar 700 vagas até o final do ano. A maioria é de reposição de funções desde o início da pandemia.

Além dessas contas, a Funprev tem de apontar qual o valor da despesa anual para funcionar em relação aos limites de 1,7.% e 1,5% do total arrecadado. A fundação usa até 2% em lei, mas o CONTRAPONTO revelou que o Ministério da Previdência mudou os limites desde junho.

INFORMAÇÕES

Enviamos ao presidente da Funprev, Ricardo Ortolani, pedido de informação sobre o processo relativo ao equacionamento das contas e também sobre quantos servidores estão em licença e desde que data.

Também foi questionado Ortolani sobre a pendência no conserto de veículo Gol, há mais de 30 dias. O veículo está com motor fundido. O presidente ainda não prestou esclarecimentos.

RATEIO

Projeto de lei informado ontem aqui trata das sobras da Educação: em que a prefeita quer fixar o rateio de sobras do fundo da educação (Fundeb) e da exigência mínima de uso de verba no setor (25%). Abordamos que a medida, de um lado, viria para garantir eventual distribuição de valor a todos os profissionais da área aos finais do ano.

Mas, de outro lado, não haverá garantia de que a máquina vá utilizar 100% do fundo de janeiro a dezembro com pessoal e nem que a Educação conseguirá comprar o que precisa.

A proposta discute, portanto, fixa em lei (em definitivo) divisão de sobras (são milhões de Reais por ano), para os profissionais do setor.

OUTRO PONTO

Mas o projeto tem outro ingrediente. O governo pode estar interessado em transferir, por decreto, o critério de rateio para o Sindicato dos Servidores e/ou para o Conselho de Educação.

E neste campo será guerra certa. Profissionais da base querem valores iguais e os demais defendem que sejam garantidos os critérios de proporcionalidade nos salários de acordo com as carreiras.

CARGOS LEGAIS

Em decisão unânime da Câmara de Direito Público o Tribunal de Justiça definiu, em 25 de agosto passado, que são legais os cargos de assessoramento criados por lei pela Câmara de Bauru.

Os desembargadores acompanharam o relator Bandeira Dias que definiu como legal o preenchimento de algumas funções pelo critério de confiança para a atividade parlamentar e algumas assessorias, como um advogado, um consultor econômico, um jornalista.

A decisão do TJ derruba ação do Ministério Público de Bauru.

MP ACIONA

Mas, um dia antes desta decisão, o chefe da Promotoria no Estado ingressou com nova ação de inconstitucionalidade também contra os mesmos cargos.

O Legislativo vai informar o TJ que os casos já julgados não podem ser recebidos nesta nova ação. É a chamada “coisa julgada”.

Mas o MP na nova ação se valeu da lei que fez ajuste nessas funções, em março passado, com inclusão de outros casos, como a criação de Procuradoria Geral e Controlador Interno e também as chefias e diretorias da Câmara – embora estes cargos sejam todos preenchidos por servidores de carreira.

O Legislativo vai apontar que na decisão pela regularidade de funções que exigem confiança o próprio TJ estabelece que há entendimento consolidado do Supremo de que a gestão do Poder pede algumas assessorias sob critério de afinidade e estrita confiança e que, no caso de Bauru, o número é compatível com o total de vereadores (17).

O MP não concorda e o caso deve ir ao STF.  Há ainda conflito entre o que veda a Constituição do Estado e a Federal. Mas prevalece a da União.

CUSTO DO LIXO

A Prefeitura tem posição jurídica contrária a nova revisão no valor pago pela tonelada de lixo à EMDURB (R$ 201,00 e uns centavos). Demorou tanto que contrato venceu. A EMDURB pedia R$ 225,00, embora diga que seu custo total é R$ 290,00 a tonelada.

Ocorre que na nova pesquisa de preços o valor médio apontado é perto de R$ 249,00. E agora?

PARTIDOS BARRADOS

Seis partidos não atingiram a cláusula de barreira nas eleições de 2022: PTB, Novo, Solidariedade, Pros, PSC e Patriota.

Eles se juntam a um segundo grupo, formado por siglas que já não tinham conseguido superar a cláusula em 2018 ou ainda não existiam: PCB, PCO, PMB, PMN, PRTB, PSTU, UP, Agir e Democracia Cristã (DC).

Quem não atingiu a participação mínima não recebe verbas públicas para campanha e ficam sem tempo de TV e rádio para propaganda.

Haverão novas fusões ou extinção.

 

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima