COLUNA CANDEEIRO 25092020 NELSON ITABERÁ

N. 383 Veja como Bauru perde mais de R$ 12 milhões por ano na Saúde junto à União; e por que os poços novos do DAE param rápido ?

N.383 Veja por que Bauru perde mais de R$ 12 milhões por ano junto à União na Saúde; por que os novos poços do DAE queimem rápido?

 

MORTE DO JOVEM

A morte do jovem de 27 anos que teve convulsão na madrugada de domingo, quando estava no evento de universitários Inter 2022, no Distrito Industrial, provoca reações.  Cinco jovens foram internados com suspeita de coma alcoólico, sendo 3 em estado grave. A organização diz que foram dois atendimentos. O jovem que faleceu veio de SP para o encontro universitário onde, conforme polícia, passou mal. A organização contesta versão de que teria ocorrido competição de bebida.

Os organizadores alegam que o evento oferece bebida livre (open bar) mas também alimentação e equipe médica no local. A discussão recai sobre a realização de festas com bebida sem limite.

O jovem foi socorrido, mas faleceu no atendimento no Pronto Socorro.

A prefeitura emitiu nota apontando que a emissão de alvará para esse tipo de evento cumpre a norma.

+de R$ 12 MILHÕES

O Orçamento da Saúde Municipal esta perdendo mais de R$ 12 milhões por ano junto à União.

A perda de mais de R$ 1 milhão por mês pode ser revertida. E depende do governo municipal.

A razão da perda está na regra estipulada pelo Ministério da Saúde para, digamos, credenciar programas e o financiamento de ações de saúde. O CONTRAPONTO apontou, em 2020, na série DIAGNÓSTICO SAÚDE que a alteração na forma de financiar o setor (por cadastro, produção e programas) exigia mudanças.

COMO REVERTER

A Prefeitura correu atrás do cadastramento de usuários. Evitou, a rigor, perda na fatia de verbas por esta regra.

Mas o Ministério exige jornada de 20 horas, pelo menos, para médicos em ações de saúde. Bauru está perdendo a verba milionária porque a jornada do médico foi reduzida para 15 horas.

A redução, no governo Rodrigo, atendeu a pedido dos médicos que queriam tempo para atuar em atendimento particular ou outras unidades de saúde.

Outra motivação foi aumentar, pela redução de jornada, o valor pago aos profissionais, na ocasião.

Pra retomar as 20 horas, com alteração em lei, a Prefeitura terá de custear a diferença. E não é só isso. Porque a rigor a recuperação da receita pagaria esta conta.

SALÁRIO DA PREFEITA

A medida envolve um problema de meses: atualizar o salário da prefeita. A não reposição nem da inflação causa perda de servidores no topo da carreira e faz especialistas de governo deixarem o concurso para atuar no setor privado.

O problema também afeta (de maneira ainda mais grave) secretários. É muito defasado o que se paga aos gestores!

Assim, para deixar de perder mais de R$ 12 milhões por ano exatamente na área mais carente de serviços, a Prefeitura tem de ajustar a jornada dos médicos e o salário da prefeita.

POÇOS DO DAE

Os 3 poços de produção de água entregues pelo DAE no atual governo não estão bem!

As unidades da Praça Portugal e do Shopping (Infante) foram entregues a poucos meses e as bombas já pifaram mais de uma vez em cada um.

Os anúncios do DAE são protocolares. Poucas informações são apresentadas sobre as razões das falhas até aqui e se elas foram sanadas em definitivo.

Neste feriado, o DAE anunciou que a bomba do novinho Infante também parou. O presidente Marcos Saraiva disse que espera posição da CPFL. A oscilação de energia elétrica é a suspeita. Mas faltam dados.

Do trio de poços, a unidade do Alto Paraíso é a pior! Nada de água, pelo menos em volume compatível com o que foi apresentado no projeto.

Por que os poços novos param tão rápido? Assunto para audiência pública técnica, para que o DAE esclareça o que ocorre….

Há outras questões pendentes. Mas se por na lista deságua a necessidade de explicar o mistério do trio de poços novos…

Pra registrar, continua chamando atenção a repetição na identificação de queima de bombas em finais de semana.. quando a hora extra é paga e custa mais. nos últimos dias vieram mais 2…

 

 

1 comentário em “N. 383 Veja como Bauru perde mais de R$ 12 milhões por ano na Saúde junto à União; e por que os poços novos do DAE param rápido ?”

  1. O plano Diretor das águas em Bauru parece não ser o objetivo da atual gestão. O desperdício de água, na ordem de 47,54% de tudo que produz, não espanta o Presidente do Dae e muito menos da prefeita.
    Somados aos problemas está as reiteradas queimas das bombas… A Câmara Municipal tem os instrumentos e a obrigação de investigar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Scroll to Top