COLUNA CANDEEIRO 25092020 NELSON ITABERÁ

N. 72 Chuva em abundância faz DAE produzir menos água tratada

Facebook
WhatsApp
LinkedIn

N. 72 CHUVA EM ABUNDÂNCIA FAZ DAE PRODUZIR MENOS ÁGUA TRATADA

 

ÁGUA TURVA

Ao longo de pouco mais de 28 anos de labuta em redações, não sei mais quantas reportagens produzi sobre a paradoxal relação entre CHUVA DE MAIS E ÁGUA DE MENOS em Bauru. E o fato se repete neste chuvoso dezembro de 2020. O DAE informou nesta terça-feira (29/12) que o sistema de captação de água no Rio Batalha resultou em elevada turbidez (água meio marrom)…

Quando chove em demasia, a partir da “cabeceira” da nascente do Batalha, na serra da Jacutinga (Agudos), a “força” da correnteza leva muito barro até a lagoa de captação. Para especialistas ouvidos, no passado, procedimentos de “contenção técnica” reduziriam o carreamento de barro no trecho mais próximo da captação, onde estão as bombas.

Mas seria preciso, também, ajustar junto a propriedades lindeiras à lagoa o carreamento de sedimentos. O controle dessa situação junto aos vizinhos da Lagoa nunca existiu!

Bom. O fato é que, com trombadas d´água e ocorrências seguidas, como nos últimos dias, o “barro” mostra sua coloração na água.
A manobra que o DAE faz, há anos, é reduzir a potência da bombas e “sugar” menos água da Lagoa. O DAE informou que de 550 l/s a captação foi reduzida para 430 l/s, desta vez. Quando ela ficou “seca”, até outubro, foi possível verificar que ela também não foi limpa (o “fundo”) há mais de um ano…. então… fica assim.. Não chove, falta água. Chove muito, falta água…

TRÊS CENTENAS DE MORTES

Faz um tempão que paramos de contabilizar número de mortos e de casos positivos de Covid na cidade. Bom. Devemos, infelizmente, fechar o ano ultrapassando os 300 óbitos oficiais em razão da pandemia em Bauru. A maioria idosos. Entre os registros, passamos de 20 mil  casos. Com subnotificação, incluindo quem teve a doença e nem sabe, ou não deu pelota, podemos ter até quatro vezes mais do que esse número…

Ontem, incomodou nosso senso, além da  conta, saber que os jovens que se juntaram na avenida entre o Cirella e o Lago Sul, na madrugada do Natal, geraram muito além do risco de ajudar a multiplicar a contaminação (o que já é lamentável e grave – face a inércia dos poderes públicos). Moradores com autismo, naquela área, e idosos com tratamento de câncer pedem, desesperadamente, que possam descansar à noite…. !

Então gente, pedimos licença para publicar na coluna um texto (a seguir) de lamento, especificamente para falar de baladas, pancadões e aglomerações em volume de pessoas nesta fase em que os dados mostram novo aumento significativo de casos da doença. Em seguida, se tiverem paciência, continuamos com as notas (de outros assuntos). Fiquem à vontade para pular o LAMENTO… mas lá vai:

ASSINTOMÁTICOS À VIDA

Um vídeo de não mais que 25 segundos, que circula pela rede social, mostra de maneira simples (no link): COMO CONTER A COVID EM ESCALA. Mas isso pouco importa, para muitos…

Discursaram quase todo o ano em defesa de restrições sociais como única forma de “assegurar” vagas de internação…A luz se apaga…. Jesus nasceu, a champagne estoura…

Povo de todas as incongruências e tribos: aglomerar na praia, em festas, pancadões, baladas e encontros em chácaras não se justifica nesta fase! Ao contrário, sentencia os que querem arriscar pra morrer e, pior, colocar outros (vítimas dos ignorantes) ao mesmo risco.

Ah! Não falo de você que está em algum canto com os seus, com cuidados, de fato reunidos em descanso entre poucas pessoas. Respeito, também, os que funcionaram mostrando que dá sim pra abrir com protocolo.

Não estamos falando mais sobre lojas abrirem. Mas dos que se fecham em cadeados mentais da hipocrisia assintomática e agem no limite de gerar risco a outros!

Não é protesto o texto. Seria inútil! É desabafo, lamento! Fique em paz! Eu não estou!

Nélson Itaberá

ACOLHIMENTO DE IDOSOS

A Prefeitura de Bauru, pela Secretaria do Bem Estar Social, inaugurou nesta terça-feira (29/12) o Serviço de Acolhimento Institucional para Idosos “Abrigo Colônia Aymores”, executado pela Sociedade Beneficente “Dr. Enéas de Carvalho Aguiar”.

Pessoas com 60 anos de idade ou mais, de ambos os sexos, independentes ou com algum grau de dependência em situação de violência, serão encaminhados pelos Centros de Referência Especializados de Assistência Social (CREAS) para esta unidade.

Atualmente 15 idosos são atendidos. A meta divulgada é para 40 pessoas, distribuídas em dois alojamentos. O Município investiu neste ano o valor de R$ 669.690,00 para a execução e R$ 80.000,00 para implantação do serviço, segundo o governo.

DESEMPREGO

O IBGE divulgou os dados do terceiro trimestre do ano (agosto-outubro) do desemprego, com o total de 14,3% da população na condição, ou mais de 14 milhões de brasileiros. Um dado é que, conforme o Instituto, o Auxílio Emergencial durante a pandemia (cuja última parcela foi encerrada hoje) “colaborou” para que milhões não procurassem uma vaga nos últimos meses. Ou desistissem… 48% da população está na informalidade…

CUSTO DO AUXÍLIO

Enquanto o governo fecha 2020 com a conta de R$ 1 trilhão de despesas com a Covid (contando socorro a prefeituras e estados, repasses para custeio de serviços da pandemia, etc…), somente a ajuda emergencial a 48 milhões de pessoas custou R$ 292,9 bilhões.

ALUGUEL PESADO

Em ano de inflação fora da meta (acima dos 4% estipulados pelo governo), o aluguel ficou muito “pesado”. Reajustado pelo IGP-M a conta ficou 23,14% mais cara.

Com pandemia, o povão sem casa, sem emprego, ou com arrocho no ganho mensal (incluindo todo o funcionalismo), o jeito é você “brigar” com o dono do imóvel, chamar a atenção pela sensibilidade… Até porque o que tem no mercado é imóvel vazio! Usa a abundância de oferta para convencer o dono a pelo menos manter o valor atual!

Índice de 23,14% é a maior taxa em 18 anos!

NOVO LAR

A prefeita eleita Suéllen Rosim (Patriota) entra em 2021 literalmente com duas “novas moradas”. No trabalho, ela assume a Prefeitura e passa a frequentar o Palácio das Cerejeiras, no Altos da Cidade, a partir de sexta-feira. De outro lado, a jornalista deixou o imóvel onde morava em um apartamento perto do Bauru Shopping e foi para uma casa no Condomínio Villagio.

AGENDA DO DIA 4

Se a Covid  não sofrer alteração em relação à regra determinada pelo governador João Doria (PSDB) – de fase vermelha para todas as regiões – a tendência é de que Suéllen Rosim também não siga a medida em Bauru…

Mas há, de outro lado, uma agenda (pré-combinada para o dia 4 de janeiro) de encontro com representantes dos segmentos de comércio, serviços…. entre outros, para discutir ações que permitam, em janeiro, o controle da transmissão da doença sem recorrer ao lockdwon.

O empresariado bauruense (o que exigiria incluir todos, como indústria) tem em mãos a oportunidade de utilizar o diálogo prometido por Suéllen para se ANTECIPAR. Por que não pensar em ações que deram certo em outras cidades (e aqui não foram empregadas) e outras que foram estudadas (pelo Sincomércio, por exemplo), mas não foram “ouvidas” por Gazzetta?

Tem lenha pra queimar, saliva pra usar, aprendizado para implementar…. nessa causa..

Não tem não gente?

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Rolar para cima