Outros ativos de Renda Variável: ETFs

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no google
Google+
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Olá, queridos leitores! Hoje seguimos com a nossa série sobre outros ativos de renda variável. Nesse episódio falaremos sobre uma alternativa de investimentos conhecida como ETFs.

 

O QUE SÃO ETFs E QUAIS SEUS TIPOS?

Os ETFs, ou Exchange Traded Funds, são fundos de investimento negociados na bolsa de valores. Esse tipo de investimento possui algumas características específicas, sendo duas delas:

  • ETFs são atrelados a um índice de referência, por exemplo o Ibovespa. Assim, ao investir em um ETF, espera-se que a rentabilidade seja próxima a esse índice. O papel do gestor, portanto, é de comprar e vender ações na mesma proporção da carteira do índice.
  • Assim como as ações, os ETFs são negociados no mercado secundário. Portanto, o valor de sua cota oscila de acordo com a variação dos papéis da carteira do índice.

No exterior, os ETFs são bem desenvolvidos, possuindo inúmeros tipos, como referência índices: amplos, setoriais, nacionais, internacionais, de moedas, de criptomoedas, de renda fixa e de commodities, entre outros.

No Brasil, esses ativos têm muito a evoluir, visto que começaram a ganhar mais relevância recentemente.

 

VANTAGENS E DESVANTAGENS

Em relação às vantagens oferecidas por esse tipo de investimento, destacaremos algumas. Investir em ETFs traz diversificação da carteira do investidor de maneira simples, diminuindo o risco. Isso ocorre pelo fato de que, ao comprar uma cota de ETF, o investidor adquire indiretamente, participação em todos os ativos presentes no índice de referência. Somado a isso, outra vantagem é que o investidor não precisará alterar os pesos das ações, visto que isso é um papel desempenhado pelo gestor do ETF.

Outra vantagem é o acompanhamento do mercado, gerando uma rentabilidade próxima do benchmark. Essa rentabilidade é chamada de beta, pois é a de um indexador. Gestores ativos buscam gerar alpha, isso é, retorno excedente ao indicador, sendo ETFs complementares.

Por fim, a liquidez e os custos são fatores vantajosos em investimentos desse tipo. 

Em relação às desvantagens, podemos destacar, principalmente, a ausência de dividendos, impossibilitando o recebimento de uma renda passiva. Além disso, alguns investidores que queiram rentabilidade acima do mercado não consideram ETFs como investimentos interessantes.

 

DIFERENÇA ENTRE ETFs e FUNDOS DE INVESTIMENTO

Mesmo sendo um fundo de investimento, os ETFs possuem algumas diferenças em relação aos fundos de investimento tradicionais. 

Uma das principais diferenças é em relação a gestão do fundo. Mesmo podendo ter gestão passiva, grande parte dos fundos de investimento possuem uma gestão ativa, ou seja, buscam rentabilidade acima do seu índice de referência. Os ETFs, por outro lado, possuem apenas gestão passiva, ou seja, o gestor de um ETF busca uma rentabilidade que acompanhe o benchmark. 

Outra diferença importante para ser destacada é a forma de investir. Nos fundos de investimento, as cotas são compradas através da plataforma específica, sempre que disponíveis. Já nos casos dos ETFs, os investimentos são realizados através da bolsa de valores, no pregão.

Com isso, acabamos mais um episódio da nossa série! No próximo episódio falaremos sobre os derivativos. Fiquem ligados!

 

Matheus Assunção.

 

Se você perdeu os episódios anteriores é só acessar pelo link abaixo:

 

Para investir melhor em renda variável, nada como contar com especialistas. Entre em contato conosco:

Telefone: (14) 3010–1818

WhatsApp: (14) 3245–4345 ou acesse clicando aqui.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima