Pandêmicos devaneios

Facebook
WhatsApp
LinkedIn

Por João Pedro Feza

 

Terei Ponta Negra, Sancho e Cajueiro

Toque, Imbé, Sono e Aruana

Agito festivo em Copacabana.

 

Parar em Paraty, topar Tramandaí

Sem ternos em Gravatá

Com amor e fé em Moreré.

 

Se for a sina, Pinho e Pina

Para refletir, Espelho e Mariluz

Por proteção, Forte e Guarita.

 

Por que não mergulhar em Buracão?

Devoção em Santo Cristo e Aparecida

Sorrindo sob o azul de Amaralina.

 

Há de, em Patacho, correr riacho?

Água e sal? Lagoinha, Mariscal…

Mente sã: Cabeçudas; cansaço: Cachadaço.

 

Brava e Mansa fazem as pazes na mansidão

Trincheira é bem-vinda nessa guerra de agora

Refúgio esconde os segredos das horas.

 

Vida plena: lema de Arpoador e Ipanema

Fauna rara: joias de Gaivotas e Sereia

Seres iluminados em Farol e Encantados.

 

Milagres e Paraíso estarão de braços abertos

Como um Redentor presencial a nos abraçar

De braços cruzados é que não haveria de ficar.

 

O autor

é jornalista e entusiasta das amizades. Trabalhou em jornal, rádio, TV e assessoria de imprensa. Atua de forma autônoma atualmente. Sonha com um mundo mais presencial a todos ao som de Beto Guedes e George Harrison.

5 comentários em “Pandêmicos devaneios”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Rolar para cima