Para aliviar Batalha, DAE entrega 1 de três poços ‘ao lado’ de reservatório previstos para este ano

Facebook
WhatsApp
LinkedIn
Suéllen Rosim e Marcos Saraiva anunciaram 3 poços para aliviar a crise de abastecimento do Batalha neste ano: o primeiro hoje

Três unidades de produção binárias (o poço profundo perfurado ao lado do reservatório). A meta anunciada pelo governo Suéllen Rosim no início do ano, para reduzir a escassez de abastecimento a partir da água de superfície (no sistema do rio Batalha), teve a primeira obra entregue hoje. O Poço da Praça Portugal inicia operação com capacidade instalada para produzir 110 m3/hora.

A unidade é a 35ª de produção de água do DAE. As outras duas obras anunciadas estão contratadas para este ano, sendo o poço Alto Paraíso e outro próximo do Bauru Shopping. Nos três casos, o DAE consegue conciliar a instalação de Unidade de Produção (UP) ao lado do Reservatório (UR), uma solução binária racional, que reduz custo com operação e as intempéries com rompimento de adutora em ligações entre UP e UR. O sistema também “racionaliza” manobras operacionais e outras consequências de operação.

Com o trio de novos poços, a dependência do Batalha será reduzida. Em plena estiagem severa, um alento para um sistema que há anos retira 550 litros por segundo da reduzida lagoa de captação do rio Batalha, na divisa com Piratininga. Contudo, a licença para operação no local é de 317 litros por segundo.

O poço Praça Portugal não conseguiu iniciar em operação com os 180 m3/h previstos. Mas será essencial na “redistribuição” da carência de bairros populosos, do Jardim América, ao Estoril, do Centro ao Altos da Cidade. Hoje, conforme o DAE, o rodízio no abastecimento ainda atinge 90 mil bauruenses.

A obra foi concluída em 78 dias. Sobre o questionamento da capacidade do abastecimento subterrâneo na região “alta”,  UP apresenta condições de operar a uma profundidade de 326 metros.

Ao lado da interligação do poço Imperial ao sistema Batalha (ETA), e das perfurações programadas para as unidades na região do Bauru Shopping (unidade Jardim Infante Dom Henrique) e do Alto Paraíso, estas intervenções do DAE indicam o cumprimento da programação para este ano anunciada pela atual gestão.

Estas obras já estão incluídas na revisão do Plano Diretor de Águas (PDA), atualizado e inserido no relatório da Comissão de Inquérito que discutiu a crise no abastecimento. A programação exige investimentos do DAE de cer a de R$ 245 milhões, com recursos próprios, até 2034, e mais R$ 100 milhões (de fonte externa a ser discutida) para a nova unidade de captação no Batalha (22 km distante da atual ETA),

A instalação de 3 poços não altera a crônica situação de desperdício gerado pelo DAE no sistema, com vazamentos em escala. Ao contrário, amplia. Quanto mais se tira água do sistema subterrâneo, na atual conjuntura, mais se amplia, proporcionalmente, o desperdício. Sem setorização, controle de pressão e automação (além de gestão), o serviço de fornecimento de água continuará frágil em Bauru.

O rodízio no abastecimento permanece. Assim como não há previsão para chuvas, pelas próximas semanas, capazes de aumentar a produção de água na lagoa do Batalha. Economize!

Não lave a calçada com sua mangueira. Ela não é vassoura! A poeira só é empurrada para o vizinho. E não resolve.

BOMBA ESTOURA

Os bairros Jardim América, Jardim Europa, Estoril V, Jardim Aeroporto, Vila Leme, Vila Riachuelo e adjacências podem ter o abastecimento de água prejudicado em decorrência de um problema na bomba do poço Jardim América II, localizado na rua Oliciar de Oliveira Guimarães, s/n.

O poço Jardim América II, inaugurado em 2019, tem profundidade de 280 metros, vazão de 183 mil litros por hora e abastece um público aproximado de 20 mil pessoas.

O processo de substituição do equipamento será iniciado pela equipe da Eletromecânica do DAE às 07 horas desta quarta-feira (18) e deverá se estender até às 18h do mesmo dia.

Assim que as intervenções forem concluídas, o abastecimento será retomado gradativamente. Por isso a autarquia solicita economia de água aos consumidores dessa região para que transtornos sejam evitados. O DAE disponibiliza caminhões-pipa para o atendimento nas regiões afetadas através do 0800-7710195, que recebe ligações apenas de telefone fixo, ou 3235-6140 e 3235-6179 para ligações feitas por aparelho celular.

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Rolar para cima