COLUNA CANDEEIRO 25092020 NELSON ITABERÁ

08/11 Auxílio emergencial e candidatos… as estratégias da ÚLTIMA SEMANA na eleição

Facebook
WhatsApp
LinkedIn

08/11/2020 AUXÍLIO EMERGENCIAL E CANDIDATURAS…. ESTRATÉGIAS DA ÚLTIMA SEMANA NA ELEIÇÃO 

 

AUXÍLIO EMERGENCIAL

Como adiantamos na coluna, a lista emitida pelo TCU em todo o País, por cidade, identificando candidatos (as) que constam do Auxílio Emergencial, cruzada com dados de existência de patrimônio, por exemplo, está sendo utilizada de maneira suja em redes sociais.

Para não cometer injustiças, o CONTRAPONTO solicitou às candidaturas que informem sua situação. Para quem teve o nome clonado, caso do ex-vereador Renato Purini, basta enviar o boletim de ocorrência dando conta do registro da fraude, por exemplo.

Neste ponto, destacamos que nem todos checaram que poderiam ter sido clonados. Assim, como a lista tem mais de 20 nomes, aguardamos que os partidos e o (a) candidatos (as) informem rapidamente suas citações.

ELES RECEBERAM

Alguns candidatos se anteciparam e informaram que receberam o auxílio emergencial, porque preencheram os requisitos da ajuda definida pelo governo federal. A candidata a prefeitura, Rosana Polatto (PSB) e seu vice Carlinhos Cantelli (PV) estão entre estes. Eles informaram que, no início da pandemia, ficaram sem renda e precisaram do auxílio. Rosana fechou sua empresa. E Cantelli, como operador de máquina, ficou sem renda.

Delfino Del Rey, candidato a vereador, informou que seu bar ficou sem vendas, também pela pandemia. Ele também deixou, antes, função de confiança no governo (na área de Esportes). E, com isso, a saída emergencial foi o auxílio federal.

No “meio do ano”, o CONTRAPONTO fez matéria apontando que a Polícia Federal abriu inquérito para milhares de casos de clonagem (via Internet), com o uso dos dados de pessoas de forma irregular.

Portanto, por ora é isso. Aguardamos a apuração um a um para, de forma serena, descrever o que é fato. Os interessados em esclarecer são os próprios candidatos.

CANDIDATURA HOMOLOGADA

Acabou o inbróglio jurídico e Raul Gonçalves (DEM) tem sua candidatura em fase de homologação pela Justiça Eleitoral. O recurso do PT em segunda instância foi indeferido.

Portanto, resta a definição jurídica em torno de Nelson Fio e Wagner Crusco. Até aqui eles não conseguiram nenhuma decisão pela regularidade de seus registros.

ÁGUA NO ESTORIL 5

Recebemos, desde o início do racionamento, inúmeras comunicações questionando que, com frequência, o caminhão pipa do DAE está na porta do Condomínio Estoril 5. Este é mais um episódio que mostra a IMPORTÂNCIA DA APURAÇÃO, DA CHECAGEM! Nossa obrigação!

Bom! O DAE utiliza o HIDRANTE da entrada do Estoril 5 para abastecer e atender aos pedidos de água durante o racionamento. É isto!

O episódio, vale pontuar, reforça, sobretudo junto aos bauruenses de bem, a importância do jornalismo sério. Ao invés das redes sociais, utilize fonte de informação segura! É isto!

ELIMINADOR DE AR

Está na pauta da sessão da Câmara da segunda-feira o projeto de lei que prevê a instalação de eliminador de ar (um equipamento de baixo custo) para evitar que moradores sejam prejudicados com o registro de “ar” vindo da tubulação em tempos de racionamento e de falta de controle de pressão na rede na cidade.

O projeto, assinado pelo vereador Meira, discute a necessidade do DAE garantir essa medida, já que não há setorização na maioria das regiões da cidade e nem telemetria para o controle automático do sistema. O CONTRAPONTO tem matéria, do mês passado, onde revelou, em diálogo junto ao DAE, que apenas no mês de setembro deste ano 15.313 contas de consumo apresentaram registro acima de 30% da média dos últimos 12 meses (conforme relatório de crítica de leitura).

Discutimos, ainda, que a Diretoria de Serviço da autarquia erra ao não realizar crítica de leitura a partir de 30%, ou outro patamar inferior, para fazer gestão em cima dos relatórios de consumo e registro. Veja na matéria: https://contraponto.digital/7-500-imoveis-tem-aumento-na-conta-do-dae-acima-de-45/

SEGUNDA ONDA

O Ministério Público da área de Saúde em Bauru e região está atento à ação de gestão pelo governo do Estado em relação ao deslocamento de leitos (e serviços) represados em função da pandemia e a enorme fila que se ampliou nesses meses.

Milhares de serviços deixaram de ser realizados. E o governo do Estado ainda não apresentou plano (para a comunidade) de como se dará essa fase de transição.

De outro lado, o risco da chamada Segunda Onda de contaminação também no Brasil, está em discussão. Mas se o governo do Estado não se antecipar aos fatos, entraremos em janeiro de 2021 ainda sem vacina contra o coronavírus e o Hospital das Clínicas (HC() sem contrato definido de gestão para o funcionamento permanente, como informou o governador Dória em visita recente à cidade.

SERVIÇO TABAJARA

Do bastidor trazemos uma intervenção crítica do promotor Enilson Komono em mais de uma audiência judicial, com técnicos do Estado, onde foi discutida a carência crônica por leitos hospitalares em Bauru.

Ao falar de VISTORIA nos serviços Covid, recentemente, o promotor disse que o que viu no “Posto Avançado Covid” da Prefeitura foi um “serviço Tabajara”, com leitos instalados próximos do Pronto-Socorro (pacientes de outras enfermidades) e dificuldades no deslocamento de pacientes para exames, pelos corredores, com o uso de plástico em cima das macas.

O secretário de Saúde, Sergio Antonio, comentou que o uso desses objetos atendem às recomendações do protocolo para Covid-19 do Ministério da Saúde.

Na prática, o governo municipal instalou um serviço de retaguarda. Tanto que não conseguiu homologar nenhum leito como UTI no Ministério da Saúde. E muitos respiradores estão sem uso, dos 37 recebidos…

Já o HC não conta mais com 40 leitos Covid, mas 20, conforme informação do próprio representante do Estado na audiência judicial de execução da multa por falta de leitos.

LEI ORÇAMENTÁRIA

A Lei Orçamentária para 2021, que será votada na sessão desta segunda-feira, mostra, a olhos claros, que várias despesas para o próximo gestor não estão cobertas. A própria Prefeitura precisa atualizar os dados, para que os “restos a pagar” (nome que batizamos para as contas de Gazzetta que não estão sendo pagas em razão da pandemia) sejam incorporados.

Sem isso, a chamada LOA 2021 será apenas mais um indicativo de receitas e despesas principais, cuja execução concreta terá de ser completamente retalhada no próximo ano.

E tem mais: se cruzar o relatório do Orçamento 2021 com a lista de promessas dos candidatos, sobretudo os que despontam, a LOA fica ainda mais desconexa da realidade….

ÚLTIMA SEMANA

Pelo menos nas redes sociais, e nos programas de TV, já é possível arriscar algumas estratégias que as candidaturas vão utilizar para a última semana na eleição 2020.

Raul está preocupado, por exemplo, com resistência a seu nome junto ao funcionalismo público.

Gazzetta tenta reforçar imagem de que seu governo fez e que adquiriu experiência de gestão para continuar (mote que ele usa para dizer, por “”tabela”) que os adversários não têm experiência.

Suéllen será criticada por não apresentar soluções para os problemas locais e, ainda, por não ter experiência em gestão.

Jorge Moura tende a continuar na linha de críticas mais duras ao time acima, mesclando apresentação de conteúdos de governo para segmentos que ainda não apresentou (em razão de menor tempo de TV). Valle continua incisivo em suas críticas.

Mas de terça-feira (até sexta), as estratégias vão contemplar outros elementos…

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima