Como investir em 2022 – Dicas para começar: Dívidas e conceitos básicos

Facebook
WhatsApp
LinkedIn

Olá, queridos leitores! No primeiro episódio da nossa série, mostramos que começar a investir com pouco dinheiro é possível. No episódio de hoje, daremos mais algumas dicas para quem quer começar a investir, em relação a dívidas e conceitos básicos para um investidor.

 

INVESTIMENTOS E DÍVIDAS

Ter dívidas é bastante comum hoje em dia, principalmente para pessoas que querem começar a investir. Devido a isso, muitas pessoas se perguntam se vale a pena começar a investir, mesmo possuindo algumas pendências financeiras. 

A resposta dessa pergunta é: depende! Essa resposta é dada porque é preciso fazer o seguinte cálculo: meu rendimento com o investimento irá superar o juros da minha dívida? 

As linhas de créditos mais acessíveis costumam cobrar taxas muito altas, como acontece com cartão de crédito e cheque especial. Dessa forma, é muito difícil que algum investimento, principalmente os comuns para quem está começando a investir, ofereça algum retorno maior que os juros das linhas de crédito mais acessíveis. Portanto, nesse caso não vale a pena começar a investir enquanto houver dívidas.

Por outro lado, existem algumas dívidas com baixa taxa de juros, como um financiamento imobiliário de custo baixo. Nesse caso, podem existir investimentos que ofereçam retornos maiores do que os juros da dívida, fazendo com que seja vantajoso investir e ir pagando a dívida aos poucos.

Vale ressaltar que esse cálculo serve para investimentos mais conservadores, como os de renda fixa. O mercado de renda variável não é recomendado para pessoas com dívidas, pelo fato das grandes oscilações presentes nesse tipo de investimento.

Assim, como regra de bolso: é importante quitar suas dívidas para começar a investir e possuir uma maior tranquilidade em relação ao seu dinheiro.

 

CONCEITOS BÁSICOS PARA UM INVESTIDOR

Quem começa a estudar sobre o mercado financeiro, percebe que existem muitos conceitos novos, como se fosse uma linguagem diferente. Alguns desses conceitos são essenciais para começar a investir e ter mais segurança em relação ao investimento em que seu patrimônio está investido.

  • Risco: é a chance de algo não sair como planejado, ou seja, a possibilidade de que algo impacte os seus investimentos. Vale ressaltar que existem investidores que aceitam mais ou menos riscos;
  • Retorno: representa o quanto o investidor lucra com um investimento. Pode ser expresso em porcentagem, passando a ser chamado de “rentabilidade”;
  • Liquidez: é o nível de facilidade (ou dificuldade) de transformar seus ativos em dinheiro. Ativos com alta liquidez são muito negociados, tornando sua compra ou venda mais fácil. Já os ativos de baixa liquidez são pouco negociados ou com longos períodos de tempo, tornando-os menos atrativos.
  • Diversificação: é uma estratégia que proporciona uma redução de riscos ao investidor. Ativos diferentes tendem a ter oscilações diferentes. Assim, enquanto um ativo cai, o outro pode subir, reduzindo o risco de perda para o investidor.

Ao entender bem esses conceitos, você estará mais apto a escolher melhor onde investir seu patrimônio! Com isso, finalizamos mais um episódio da nossa série. No próximo episódio, falaremos sobre finanças pessoais! Fiquem ligados!

 

Matheus Assunção.

 

Se você perdeu o episódio anterior é só acessar pelo link abaixo:

 

Para investir melhor em renda variável, nada como contar com especialistas. Entre em contato conosco:

Telefone: (14) 3010–1818

WhatsApp: (14) 3245–4345 ou acesse clicando aqui.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima