Preparamos o GUIA sobre indicadores financeiros pra você

Facebook
WhatsApp
LinkedIn

 

Agora que encerramos nossa Série sobre os indicadores do mercado, trazemos pra você os pontos mais importantes de cada um boletins. A ideia é lhe oferecer um GUIA, para facilitar o entendimento. Pra isso, o material traz todos os links das publicações, pra você acessar quando quiser.

Cada título abaixo (em cores) é um boletim. Se quiser se aprofundar em um deles é só clicar sobre o texto colorido.

Vamos lá:

O que são indicadores?

Começamos explicando sobre o que é de fato um indicador. Nada mais é do que um valor calculado a fim de mostrar a movimentação de algo, como a taxa de desemprego de um país, por exemplo.

Sua importância é indiscutível para a compreensão do mundo dos investimentos. É comum avaliar um ativo pela sua performance em relação a um índice para sabermos se o risco corrido vale o retorno.

Para obter as informações completas de cada item é só clicar sobre o título (em cores):

A Taxa Selic e o CDI

A Taxa Selic, chamada também de “taxa básica da economia”, é um é um dos conceitos mais importantes para os investidores e uma das armas mais poderosas do Banco Central, pois seus efeitos refletem em todas os campos da economia, principalmente no controle da inflação, e é base para outros indicadores, como o CDI.

Este, por sua, vez, é uma taxa que deriva da Selic. É utilizada pelos bancos para emprestar dinheiro entre si a fim de cumprir com a regulação. Ela é ligeiramente inferior à Selic, cerca de 0,1% menor. Hoje (16/04/2021), com a Selic a 2,75% ao ano, o CDI rende cerca de 2,65%.

 

O PIB – Quanto um país produz?

PIB é a abreviação para Produto Interno Bruto. É um indicador calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) a fim de medir o valor dos bens e serviços finais que o país produz no ano em três grandes setores: agropecuária, indústria e serviços. Porém, o PIB não avalia fatores como qualidade de vida, distribuição de renda e outros fatores qualitativos para a população.

 

IPCA e IGP-M – As principais métricas de inflação

A inflação é uma medida do aumento dos preços generalizados e consequente desvalorização da moeda, sendo bastante difícil explicá-la com exatidão. Além disso, ela pode existir em três cenários possíveis: hiper inflacionário, de inflação moderada e deflacionário.

Para realizar a sua medição na economia brasileira temos algumas opções, como o IPCA, medido pelo IBGE, e o IGP-M, medido pela FGV.

 

O principal índice acionário brasileiro – O Ibovespa

O índice Ibovespa calcula o desempenho médio de uma carteira teórica de ações que são negociadas na bolsa brasileira. Ele é medido em pontos e sua pontuação evolui de acordo com a variação destes ativos.

A B3, a bolsa de valores brasileira, define quadrimestralmente quais ações irão compor o Ibovespa com base em vários critérios, a fim de adicionar apenas as empresas mais representativas e realmente funcionar como uma média do mercado.

 

IFIX – O índice dos fundos imobiliários

O IFIX é o índice que nos mostra o desempenho médio das cotações dos fundos no mercado. Assim como o Ibovespa, o IFIX é composto por uma carteira teórica de ativos que respeita uma série de critérios. Além disso, leva em consideração não apenas o valor das cotações, mas também o impacto dos proventos distribuídos por cada fundo.

Dentro do IFIX, cada fundo apresenta um peso diferente de acordo com seu valor de mercado. Atente-se, porém, que um mesmo fundo não pode compor mais do que 20% do índice.

 

Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE B3) e o ESG no Brasil.

A sigla ESG (Ambiental, Social e Governança Corporativa, em inglês) ganha força a cada dia que passa, afinal, a preocupação dos investidores com os impactos socioeconômicos gerados pelas companhias das quais são sócios cresce constantemente.

Assim, criado em 2005, o Índice de Sustentabilidade Empresarial da B3 (ISE B3) conta com a possível participação das 200 ações mais negociadas na bolsa. Hoje, cerca de 40 companhias fazem parte do índice.

 

IDIV – Conheça o Índice de Dividendos da B3

O debate por renda passiva está bastante intensificado. Afinal, quem não gostaria de receber um fluxo de dinheiro extra para utilizar como bem entender?

Pensando nisso, uma das formas mais simples de obter este dinheiro extra é por meio da participação nos lucros das empresas. Porém, como é de se pensar, algumas empresas pagam mais proventos do que outras.

Assim surge o IDIV, com o objetivo de medir o desempenho médio dos ativos de uma carteira teórica das melhores pagadoras de proventos aos investidores e, assim como os demais indicadores já explicados anteriormente, para compor o índice é preciso cumprir algumas exigências.

 

Próximos passos

Encerramos nossa Série INDICADORES com este compilado dos principais pontos que envolvem os diversos indicadores do mercado. Mas calma, pois não iremos parar por aqui.

A partir da semana que vem começaremos uma nova Série sobre a Bolsa de Valores, desde os conceitos básicos ao avançado, passando sobre as principais questões que geram dúvidas no investidor iniciante.

Então não deixem de nos acompanhar aqui no Contraponto.digital e esperamos vocês em mais uma jornada.

Vamos juntos?

1 comentário em “Preparamos o GUIA sobre indicadores financeiros pra você”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Rolar para cima