Fundos de Investimento – Fundos no exterior

Facebook
WhatsApp
LinkedIn

Olá queridos leitores, na semana passada, nós conversamos sobre os fundos multimercados, e no final do texto comentamos que teríamos um episódio dedicado exclusivamente aos fundos de investimento no exterior, então essa hora finalmente chegou. Por ser um assunto de grande interesse e muito complexo, vale a pena dedicar esse tempo a mais.

 

O primeiro ponto para começarmos a discussão é entender o que classifica como um fundo de investimento no exterior. Qualquer fundo que possui mais de 40% de seu portfólio em ativos no exterior pode ser classificado nessa categoria. Esses ativos podem ser dos mais diversos tipos, sejam ações, títulos ou qualquer outra modalidade de ativo.

 

Tipos de Fundos

A respeito da composição da carteira, apesar de todos serem classificados com fundos de investimento no exterior, existem subcategorias internas. Essas categorias já foram explicadas nos capítulos anteriores, então vamos apenas passar as características gerais, para não sermos repetitivos.

 

O primeiro deles é o fundo de renda variável. Ele é o mais simples de todos, pois pode somente investir em ações, e com o patrimônio mínimo de 40%. O segundo são os fundos de Renda Fixa, aqui já começa a ficar mais complexo, pois existem duas categorias, os fundos de investimento no exterior que investem em de 40% a 80% em títulos internacionais. A segunda subcategoria é a de fundos de dívida externa, neste caso o mínimo investido tem que ser 80% do patrimônio em títulos representativos de dívida externa de responsabilidade da união. Por fim temos os fundos de investimento cambiais, como o próprio nome já nos dá uma dica, eles têm que investir a maior parte do capital em ativos atrelados a moedas estrangeiras, tendo o dólar como a principal.

 

Quais são as vantagens

Os fundos de investimento no exterior tem algumas vantagens, que são seu grande diferencial. A primeira vantagem é que ele oferece proteção cambial para a nossa carteira, pois como é diretamente exposto a moeda estrangeira, as variações nas outras moedas não afetam tanto assim. Porém, para aqueles que não desejam ter essa exposição, existe a possibilidade de investir em fundos que oferecem essa proteção, conhecidos como fundo de Hedge.

 

Outra vantagem significativa é a diversificação do portfólio que o fundo proporciona, na maioria das vezes, o rendimento desses fundos não é relacionado com os fundos brasileiros. Assim, investir em ambas as pontas pode ser essencial para garantirmos um portfólio mais estável a pressões políticas, sejam elas globais ou locais. 

 

Por fim, podemos destacar que as maiores companhias do mundo estão fora do Brasil, então os fundos se tornam uma das únicas formas de conseguir surfar a onda de crescimento delas. Grandes empresas como Amazon, Tesla, Apple e Microsoft até podem ser alcançadas no Brasil com investimentos em BDRs, porém investir em um fundo de investimento no exterior é muito mais interessante. Nada melhor que especialistas que estejam o tempo inteiro focado nisso para escolherem os melhores ativos.

 

Não se esqueça, conte sempre com a ajuda de especialistas antes de investir, estamos prontos para te atender, basta somente clicar aqui. 

 

Vale lembrar que nenhum dos ativos apresentados representam de forma alguma recomendação de alocação.

 

vamos juntos?

 

Lucas Strutz Haguiara.

Assessor de Investimentos Copaíba Invest – XP Investimentos

 

Se você perdeu o episódio anterior é só acessar pelo link abaixo:

Para investir melhor em renda variável, nada como contar com especialistas. Entre em contato conosco:

Telefone: (14) 3010–1818

WhatsApp: (14) 3245–4345 ou acesse clicando aqui.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Rolar para cima